17
Abr 09

O poema são fogueiras levantadas na garganta

ou um sono inclinado sobre as facas.

 

Alguém diz, a prumo

todos os nomes queimam,

e há uma deflagração assombrosa,

 

a palavra acende-se

com uma árvore de sangue ao centro.

 

Jorge Melícias

in A Luz nos Pulmões

 

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 16:20
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
links
blogs SAPO