25
Abr 09

ELE DISSE, ELA DISSE

 

Abruptamente, o odor de flores, agudo, vago, delicado,

O velho coração batendo suavemente, olhos

Frescos como uma maçã, todas as rugas idas.

Quem teria imaginado? Não ela, não ele.

 

Algo passou pelo quarto e não ficou.

‘Viste-lhe o rosto?’ disse ela. Ele disse,

‘Que dizia?’ ‘«Ido»’,

Respondeu ela, ‘Ou foi isso o que pensei que disse’.

Ele respondeu, ‘Não. «Vem,» estou certo de que foi «vem».

Chamou,’ disse ele, ‘Devíamos segui-lo. Não voltará.’

‘Espinheiro no Outono,’ disse ela, ‘Não me faças rir.

«Ido» foi a palavra, e partiu. Não sejas louco.’

 

‘Espinheiro,’ disse ele, ‘Primavera, o odor tardio de Primavera.

Tudo abre, tal como era.

Não vens comigo?’ disse ele. ‘Ainda temos

Uma oportunidade. Escuta. Cheira,’ disse ele,

‘Fomos adiados.’ Lentamente, preguiçosamente,

Ela abanou a cabeça pesada e virou-se.

‘Não espero,’ disse, ‘Não penses que o farei.’

 

O cabelo escuro à volta do rosto, os olhos ocultos.

‘Nunca,’ disse ela, ‘Já esperei demais.’

Ele respondeu, ‘Escuta. Está a chamar. É a nossa última oportunidade.’

Como comida, como chuva, como névoa. Boca aberta, coração aberto.

‘Tudo floresce,’ disse ele, ‘Como quando éramos novos.’

‘Quando éramos novos?’ perguntou ela, ‘Não me lembro.’

 

Uma centelha de oiro, um sorriso, uma voz vaga chamando

Confusamente ‘Vem,’ ‘Ido,’ ‘Vem’. Os odores mesclados

De Primavera na noite de Outono. ‘A nossa última oportunidade,’ disse ele.

E ela respondeu, ‘Aproveita-a sem mim.’

 

A. Alvarez

Poema com tradução de Manuel de Seabra.

 

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 08:14
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa:

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO