12
Mar 09

escrevo o teu nome no meu ventre

com a cólera da alvorada

pronuncio-te sem remédio

e o teu eco forma

pequenos depósitos

de matérias vagas e luzes.

 

tudo quanto dominas te sujeita,

um estranho culto de brumas.

 

parece que algo te arrastará

aonde a luz redime.

 

(no teu corpo tudo é expiação

e claridade

e enxame)

 

Bárbara Butragueño,

poeta espanhola, natural de Madrid.

Poema com tradução de Tiago Nené.

 

  

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 19:31
Canção:: U2 - Your Blue Room
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa:

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO