10
Fev 09

O PERFUME DE JASÃO

 

Desejo a eternidade como uma pomba nas minhas mãos.

Altazor. Huidobro.

 

AQUI, sobre o teu peito, sou pomba inofensiva.

Mas se me seguras em teus braços e me dizes a palavra que não espero, serei a fera zurrante que seduz outras feras e mata o irmão. Eu, que nunca tive as belas primaveras das outras mulheres, oferecer-te-ei velocinos de ouro que somente existem no esquecimento. Se são necessários os óbitos dos infantes, de Creúsa e Pélias, consumarei os meus crimes de amor. Mas tu, esposo,  até onde te leva a ambição? É fraude a tua fragrância: impossível salvar o abismo de anosmia que nos separa. Toda a despedida é triste e bela como uma demolição.

 

in Agência do Medo (2004-2008)

de Santiago Aguaded Landero,

Colecção Palavra Ibérica

(obra vencedora do Prémio Internacional Palavra Ibérica 2009),

edição bilingue,

com tradução portuguesa de Tiago Nené

 

Nota: poema em pré-publicação. A obra sairá no mês de Março do presente ano.

 

  

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 10:30
Canção:: U2 - The ground beneath her feet
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO