20
Dez 08

LIMITE

 

A mulher é perfeita

O seu corpo

 

Morto veste o sorriso de realização,

a aparência de uma necessidade grega

 

flui pelos pergaminhos da sua toga,

os seus pés descalços parecem dizer,

 

chegámos até aqui, acabou-se.

Cada criança morta amarrotada, serpentes brancas,

 

uma para cada pequena

tigela de leite agora vazia.

 

Ela recolheu-as todas

no seu corpo, como pétalas

 

de uma rosa fechada sobre si mesma, quando o jardim

endurece e os odores sangram

 

das doces gargantas, profundas, da flor da noite.

A lua não tem por que estar triste

 

olhando com firmeza desde o seu capuz

de osso; ela está acostumada a este tipo de coisas.

 

As suas crateras trincam e se arrastam.

 

 

Sylvia Plath

Com tradução de Tiago Nené

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 15:00
Canção:: lloyd cole, music in a foreign language, 'late night, early
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa:

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO