20
Nov 08

A Casa dos Poetas marcou ontem presença na Biblioteca Municipal de Faro António Ramos Rosa para o evento de apresentação do livro, uma espécie de semi-antologia com poemas antigos e inéditos, do poeta algarvio Casimiro de Brito.

 

A apresentação ficou a cargo do não menos brilhante poeta José Carlos Barros, contando com a presença do Vereador da cultura de Faro e de Fernando Esteves Pinto, da editora 4 Águas.

 

Trouxemos um livrinho para casa, de seu nome 69 Poemas de Amor, título curioso, 69 porque, explicou o poeta, aquando da conclusão da recolha de material, este tinha 69 anos.

 

A conversa, depois da leitura de poemas do autor e da excelente exposição e crítica da obra por parte de José Carlos Barros, resvalou para o inevitável nome de António Ramos Rosa, poeta maior da literatura portuguesa, e da ligação de muitos anos com Casimiro de Brito. Foram lidos alguns poemas de Ramos Rosa, encerrando uma noite bastante agradável.

 

Deixamos dois dos poemas inéditos de Casimiro de Brito e que integram esta semi-antologia de poesia:

 

 

436

 

Amando noite e dia num hotel de Madrid

Cheguei à conclusão que só o amor pode

Decifrar o segredo; que só no sexo

Se aproximam a música e a música de corpos

Habitados por essa poesia que vem do fundo.

O amor é a entrega assassina

Que não se deixa fixar: a luz que vem do abismo

E que nunca poderia colher, eu que já estou

Noutro lugar. Fodendo

Até cair para o lado

Curámos o que estava doente, o teu corpo mínimo

E o meu já cansado. Exilados

Da Via Láctea, e dentro dela,

Deste vaso louco onde se misturam

Os vivos e os mortos, fomos em busca

Da luz. A minha luz

Foi vir-me quando me julgava

Cego e vazio. A tua luz

Foi quando abriste o que julgavas

Para sempre fechado.

 


445

 

Escultura e dança: o meu corpo

No chão do teu corpo: um combate

Contra a morte. Quando sou escultura,

Danças. Quando, em sossego, me acolhes,

Respiro. Depois hesito, murmuro e caio

No abismo. Silêncio. Súbito

Um sismo. És tu quem se desfaz

Enquanto em teus vasos me derramo.

O caos em movimento.

Cavalgas uma onda.

Mergulho nma fenda.

 

Casimiro de Brito, em 69 Poemas de Amor, 2008, 4 Águas

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 02:38
Canção:: The Gift - 1977
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO