14
Nov 08

Encontrámos Alice Turvo, por acaso, numa viagem de comboio entre duas cidades do Algarve. Falámos com a autora  informalmente sobre o seu livro Férreos Transversais (Chiado Editora, 2008).

Entre outras coisas mais, que nada têm de ver com literatura, falámos de géneros literários e particularmente da prosa com traços poéticos, vulgo Prosa Poética. De facto, ficámos a pensar na difícil classificação e enquadramento destes géneros híbridos. Falámos-lhe de Russell Edson, conhecido pelos seus “poemas em prosa”, e Alice contrapôs: “isso para mim são micronarrativas”. Mas de facto que interessa se é poema em verso ou em prosa, e se é prosa em verso ou prosa poética ou micronarrativa? Olhemos para o caso de Luís Ene, brilhante micronarrador português: não haverá muita poesia no tom sarcástico como monta as suas pequenas histórias? E que dizer de Rafael Camarasa, premiadíssimo poeta espanhol que aqui temos acompanhado? E que tal Saint-John Perse?

Às vezes apetece cortar a prosa, ou, por outro lado, escrever em texto corrido. Acabar-se-iam as heresias e heterodoxias, marcar-se-ia o território de cada um: verso=poesia, texto corrido=prosa.

 

Hoje apresentamos dois excertos do brilhante livro de Alice Turvo. Para nós, parcialíssimos amantes da poesia, o que vamos apresentar são poemas em prosa. Alguém nos ousa contrariar?

 

 

 

Ao amor que já não ama, lacera-se-lhe o coração em brasa, domam-se-lhe as rédeas no casquilho dos dentes. Um amor temeroso e efémero, porque um coração transita como os frutos de época. Um coice tardio na curva do peito, porque os seus tornozelos não suportam o fardo do corpo que ainda trilha as sendas do amor. O amor dito de palavra é açúcar nos ferrolhos da boca, amor adoçado nas gengivas como um beijo de campânula. Amor que sobra das palavras dorme ao relento de corpo purgado ao vento, escavacando as ervas-beldroegas com as suas garras de leão-persa. Aos olhos de um amor que ainda ama, a infinidade da noite é uma mentira eléctrica serpeando que nem enguia o choro das caldas de Cáspio. Aos meus olhos, o limbo da noite é estonteante e latente, dos olhos às mãos, e do peito à memória, uma âncora no céu-da-boca.

 

-/-------

 

Como eu gosto de ti, ninguém o entenderia. Nem a cama esvaída que me obriga a desprender-me do corpo noutras roturas nocturnas e azedas. Nem a solidão taciturna que escorre devagar nos chuviscos flamejantes do amor. Como eu gosto de ti, nem o mundo o aceitaria. As árvores trépidas, os animais ferinos, a cadência dos lagos, mobília sisuda que ganha a morte sobre o couro crestado. Como eu gosto de ti, só a melodia do poente trova. E se a antemanhã sucumbe nas copas das sequóias - ricocheteando como uma bala célere - perfurando como um comboio alucinado - a incerteza dos teus sinais desmancha-se sobre os meus lençóis na loucura do leito. Como eu gosto de ti, só eu sei, de dentro para dentro, como um confim de baús entreabertos às galáxias chamejantes do céu da boca. Como eu gosto de ti, segredando-me da voz o rasto da tua presença, pernoitando-me de corpo fixo e amor esquivo, a temperança das tuas enchentes.

 

 

 

Alice Turvo, in Férreos Transversais (Chiado Editora, 2008)

postado pelo Casa dos Poetas às 14:18
Canção:: Ben's symphonic orchestra - Old Lady (album drifting)
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
links
blogs SAPO