16
Out 08
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca

postado pelo Casa dos Poetas às 00:27
Canção:: Trovante - Perdidamente
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

recital:
Espantalhos de mim

Corri ruas da cidade
Com espantalhos de mim;
Vi-me nova, sem idade,
Nas pét'las de cor carmim.

Chorei colinas de vida,
Desfolhei minha clausura,
Abri mão de entristecida
Por um riso de ventura.

E no adro da minha alma
Olhei as flores vistosas,
Que, ao longe, seriam rosas...

E da paz, vesti a calma,
No assento deste dia:
Espantalho de alegria!

Rosa Silva ("Azoriana")

Post Scriptum: Ao deparar com o destaque deste precioso blog que reúne poetas célebres ousei colocar a marca de um dos meus dias. Se o dono do blog não aprovar pode deletar.
Melhores cumprimentos e votos de muita poesia.
Azoriana a 27 de Outubro de 2008 às 16:09

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
links
blogs SAPO