16
Out 08

Li ontem a entrevista que o Herberto deu à Caras
onde, além de uns cremes de rejuvenescimento,
recomendava um produto para a queda de cabelo.
Fui comprá-lo esta tarde e sentei-me num café
a ler o folheto informativo – as contra-indicações
e possíveis efeitos secundários.

Experimenta-se tudo, desde a primária rima
e versos que trazemos da escola, até à parafernália
surrealista ou a perfuração de beleza que vem
incendiar a língua portuguesa, elevando e destruindo casas,
fazendo abrigos temporários para a saliva das horas
fundas e mais escuras onde nascemos e desaparecemos
sucessivamente, gravando com as unhas contra a parede
as memórias que criámos para os homens todos
que podíamos vir a ser.

Mas deixando-me agora de águas em que não tenho pé,
retomo o meu pequeno charco: minutos mais certos
e plausíveis, sem grande voz ou talento para cantar
aos ouvidos do futuro.

Já chove a sério lá fora, e nós aqui, noutro serão
demolhado, a comermos hambúrgueres
e a combatermos por um orgasmo
no intervalo do CSI Miami. (Que série tão
estúpida.) Espero que não leves a mal,
digamos que o romantismo no fim se reduz
a pouco mais que isto: uma flor degenerada de vez
em quando, a eventual partilha de leituras ou apenas
a rapidez com que atingimos o ponto de rebuçado
para nos desmancharmos nas margens
de um coração recidivo, vestígio animal
que só o tempo poderá domesticar.

Um dia ainda vou dar-te filhos, se é mesmo
isso o que tu queres – eu já estou por tudo. O mundo
ganha-nos todos os dias, infiltra-se no sangue
e nos espelhos da casa, cose-nos a sombra a prazos,
recados e listas de compras, estraga a nossa vontade
e dá-a a telenovelas e programas de rádio no caminho
para um trabalho que diz tudo sobre o que
não atingimos. Talvez mais tarde nos ataque o arrependimento
e lamentemos não termos perdido tudo ainda jovens,
com uma morte infantil numa brincadeira qualquer,
a dançar com algum sonho ou fugindo para muito longe
__________________com outro alguém.

 

 

Diogo Vaz Pinto,do blogue O meu melhor amigo, e um dos directores da Revista Criatura

postado pelo Casa dos Poetas às 20:29
Canção:: Leonard Cohen com U2 - Tower of Song
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: , ,

recital:
Li a parte final do seu poema no caderno Economia do Expresso. Tenho + 40 anos do que você. Como é que se atinge uma tal percepção da realidade com 26 anos? Como é que se pensa aos 20 como se se tivesse vivido 60? Como é que se consegue continuar a viver sabendo que o esperam tantas e tantas décadas?
Branca Cid a 9 de Outubro de 2011 às 10:46

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
links
blogs SAPO