05
Nov 08

Cristina Peri Rossi escreve romances, poemas e micro-narrativas. Eis a sua faceta de poeta num brilhante poema que raduz a sua visão irónica sobre o 11 de Setembro de 2001.

 

 

Onze de setembro

 

A onze de Setembro de dois mil e um,

enquanto as Torres Gémeas caíam,

eu estava a fazer amor.

A onze de Setembro do ano dois mil e um,

às três da tarde, hora de Espanha,

um avião caía em Nova Iorque,

e eu vinha-me enquanto estava a fazer amor.

Os agoirentos falavam do fim de uma civilização

mas eu estava a fazer amor.

Os apocalípticos prognosticavam a guerra santa,

mas eu fornicava até morrer

– se há que morrer, que seja de exaltação –.

A onze de Setembro do ano de dois mil e um

um segundo avião precipitou-se sobre Nova Iorque

no exacto momento em que eu caía sobre ti

como um corpo lançado desde o espaço

precipitava-me sobre as tuas nádegas

nadava entre os teus sumos

aterrava nas tuas entranhas

e vísceras quaisquer.

E enquanto outro avião voava sobre Washington

com propósitos sinistros

eu estava a fazer amor em terra.

 

Cristina Peri Rossi

com tradução do poeta David Teles Pereira

 

postado pelo Casa dos Poetas às 15:30
Canção:: Travis - Closer
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa:

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
links
blogs SAPO