31
Dez 08

 

 

São os votos da Casa dos Poetas

postado pelo Casa dos Poetas às 23:37

Duas vezes nada

 

"É assim, amiga. Encontramo-nos

quando calha nos bares de antigamente,

deixando que sobre o tampo azul

das mesas volte a pousar

um baço cemitério de garrafas.

 

Constatamos o pior, os seus aspectos.

Corpos e livros que foram ficando

por ler na voracidade da noite de Lisboa.

De facto, crescemos em alcoolémia,

acordamos tarde, em pânico,

e perdemos os dias e os dentes

com uma espécie de resignação.

Não temos, ao que parece, serventia.

 

Sorrimos um pouco, ao terceiro

gin, como quem renasce para a morte,

seus gestos de ternura ou de exuberância.

Talvez tenhamos calculado mal

o ângulo da queda, esta vitória

sem nobreza dos venenos todos.

 

Mas agora é tarde. Tudo fechou

para nós, para sempre. O amor,

o desejo, até o onanismo da destruição.

Antes de procurares a esmola

do último táxi, fica esta imagem

parada, a desvanecer-se

no frio mais frio da memória:

 

não dois corpos sentados a trocarem

medo, cigarros e palavras póstumas,

mas duas vezes nada, ninguém,

o silêncio da noite destronando

as cadeiras onde por razão nenhuma

nos sentámos. Os anos, amiga, passaram."

 

Manuel de Freitas

Assírio & Alvim,

Lisboa,

2002

 

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 13:00
Canção:: vetiver, thing of the past, 'roll on babe'
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

30
Dez 08

O LIMIAR DA RESISTÊNCIA

 

Então Dédée disse que ia preparar nescafé. Alegrei-me por saber que pelo menos têm uma lata de nescafé. Sempre que uma pessoa tem uma lata de nescafé percebo que não está na última miséria; ainda pode resistir um pouco.

 

Julio Cortázar

(Argentina, 1914 – 1984)

Blow-up e outras histórias

(Publicações Europa América, 1968)

 

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 14:00
Canção:: Toranja - casca
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

29
Dez 08

COMETAS

 

No dia em que a notícia chegou com seus punhos de fogo

O homem viu à transparência das lágrimas

A sua imagem real.

No dia em que o deserto invadiu o cérebro

Do homem crédulo e ele se tornou incrédulo

Colheu pressuroso o derradeiro ramo de rosas bravas.

No dia em que outro homem o violentou, homem

Na convicção de o ser, perguntou-me porquê

E olhou as estrelas.

No dia dos cometas perdidos, o homem esperou.

Determinou perder-se também.

 

João Candeias

in Voltei à Casa Pequena

1999

Editorial Diferença

 

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 22:33
Canção:: Coldplay - Yellow
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

28
Dez 08

O AMOR DAS LETRAS


Sento-me debaixo da aprazível luz

da janela. Leio com paciência

e com amor cada um dos versos

do livro aberto entre as minhas mãos.

Logo, nesta quietude do dia penso

que não é moderna esta maneira

de falar do homem que na sua solidão

descansa e reflecte. Sei que haverá

quem a favor de tempos mais modernos

acenda fogos onde agora apenas

ardem tíbios fulgores que novembro

colocou na janela. Deixo o livro

sobre a mesa e detenho-me um pouco

no prazer de contemplar a vida,

a outra vida que filtra as palavras

como un espelho velho. De longe chega

o amor e o aceito como aceito o ar

frio que anuncia a chegada

da noite, o amor

dos livros lidos e esquecidos.

 

Antonio Aguilar Rodríguez

in Revista El coloquio de los perros

Tradução de Tiago Nené

 

 

Antonio Aguilar Rodríguez é natural de Múrcia, Espanha, e nasceu em 1973

 

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 14:00
Canção:: John Lennon - Double Fantasy
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

27
Dez 08

ALARMES

 

não desenroles tanto a noite

em tua pele. não equipares ao corpo

o tropel das palavras

na toalha. não encalhes em mim

tanta beleza. aperta

a blusa. recolhe do meu rosto

os teus olhares, alguma lágrima

brilhando sobre a mesa.

 

sossega. é cedo ainda

para o deserto trepidante

do desejo. não julgues saber já

que desenlaces

o meu corpo procura

sobre o teu. nem eu te ofereço

o armadilhado morango

do amor. apenas peço

que adormeças,

que dês lugar na cama

ao meu fantasma.

 

coloca o coração

numa órbita prudente. talvez não tarde

o tempo,

o lugar onde eu te diga

as palavras que desligam

os alarmes que instalei

em toda a alma.

 

Luís Miguel Queirós

in As Imagens Dominantes

Lisboa 1991

Editora exercício de dizer

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 20:00
Canção:: U2 - Get on your boots
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

QUANDO ENVELHECE O DIABO TORNA-SE EREMITA

 

Luís Filipe é alto para a sua idade

Dá-lhe alguns cêntimos

O seu chapéu será demasiado pequeno

Dá-lhe duas gravatas

Mentirá todos os dias

Dá-lhe outro cachimbo

A sua mãe chorará

Dá-lhe um par de luvas

Perderá os seus sapatos

Dá-lhe café

Terá lâmpadas

Dá-lhe um corpete

Levará um colar

Dá-lhe suspensórios

Tratará de ratos

Dá-lhe uma pá

Subirá ao avião

Dá-lhe sopa

Fará uma estátua

Dá-lhe uns cordões

Comerá groselha

 

O senhor Luís Filipe

Que vive de pílulas e de pastas

Come a sua mãe

E perde o tempo caminhando.

 

Benjamin Péret

(Tradução de Tiago Nené)

 

Benjamin Péret é um poeta surrealista francês e um dos fundadores desse movimento.

 

 

 

Se gostou deste post, considere subscrever o nosso feed completo.

Ou entao subscreva a Casa dos Poetas por Email!

postado pelo Casa dos Poetas às 12:08
Canção:: Adriana Calcanhoto - Vamos comer Caetano
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa:

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
links
blogs SAPO