16
Out 08
Cindindo o crânio, o clarão
irrompe na viagem, em cada viagem
entre coração e margem.
Repete-se, imagem desaparecendo;

a língua no côncavo do lábio
ainda que seja cinza, arde.
Uma vez mais, a mesma viagem,
os tendões esticados -

rompem a pele - e podemos não pensar
a metáfora; concordamos
numa coisa, a presença
da luz no nosso corpo

é a ameaça que resta.
Em fundo, o dia estende os seus dedos,
ignoramos o preciso momento
em que esquecemos. Sobrevivemos.

Imagina o galope do cavalo,
sabes que não podes cercá-lo;
é como um vento invadindo a casa,
és os seus membros fortes, retesados.

 

 

Sérgio Lavos

postado pelo Casa dos Poetas às 19:29
Canção:: Oasis - Stop Cryin' your heart out
Poesia e Alguns dos Poetas da Casa: ,

PARCEIROS
pesquisar neste blog
 
Membros no activo
Ana Luísa Silva / Joana Simões / Ana Coreto / José Eduardo Antunes / Tiago Nené
arquivos
links
blogs SAPO